Alimentação e saúde bucal, 5 dicas para uma dieta saudável para os seus dentes

Alimentação e saúde bucal são aspectos que se relacionam diretamente por diversos motivos. Por essa razão, ter conhecimento de práticas e dicas para uma dieta saudável para os seus dentes é primordial para a saúde como um todo.

O primeiro fator que cabe ressaltar sobre a relação entre a alimentação e a saúde é que desde os primeiros dentes ela é responsável por fortalecer a estrutura e melhorar a imunidade.

Contudo, do mesmo modo, inflamações e o surgimento de problemas como a cárie também podem ser facilitados conforme os alimentos que são consumidos.

Mais ainda, se não houver uma preocupação correta com os cuidados com a cavidade oral ou houver algum problema que afete a mastigação, a absorção dos nutrientes necessários para o funcionamento de todo o corpo pode ser prejudicada.

Importância da alimentação saudável

Consumir alimentos diversos e de forma adequada contribui para variados aspectos do corpo, regulando o sistema imunológico e melhorando o sistema circulatório, bem como impactando diretamente no funcionamento de diversos órgãos.

Para se ter uma ideia, a relação da alimentação com a saúde é bastante evidenciada quando o assunto é a diabetes, patologia acentuada pelo consumo do açúcar; bem como outros problemas que são ampliados pelo consumo de gorduras, açúcares e do próprio sódio em excesso.

Da mesma forma, os alimentos que compõem o cardápio diário podem impactar na saúde bucal, favorecendo a higienização natural da cavidade oral e reduzindo os riscos de inflamações gengivais – seja pela atuação na circulação ou no combate das placas bacterianas.

Desse modo, para ampliar a saúde bucal, algumas práticas são imprescindíveis na rotina. São elas:

  • Reduzir o consumo de alimentos industrializados;
  • Minimizar o uso do sal e do açúcar;
  • Dar preferência ao consumo de frutas entre as refeições;
  • Higienizar a boca antes de dormir e ao se alimentar;
  • Ingerir a quantidade diária de água;
  • Evitar alimentos com muitos corantes;
  • Dar preferência aos sucos naturais aos de caixinha ou refrigerantes.

Confira nos tópicos a seguir os benefícios que a alimentação proporciona para a estrutura dental e outras dicas para implementar nas refeições.

alimentação saudável
Fonte da imagem: Pexels.
  1. Fortalecimento dos dentes

São diversas as substâncias e alimentos que podem contribuir para o fortalecimento e resistência da cavidade oral e da estrutura dental.

Isso porque alimentos ricos em cálcio, vitamina D e vitamina K são imprescindíveis para a formação da arcada dentária e para a reposição dos minerais responsáveis pela estrutura dental.

Além disso, tais nutrientes agem diretamente na redução da porosidade advinda de alimentos ácidos ou de outros hábitos que podem prejudicar a dentição – como o consumo do álcool.

Outra vantagem dessas substâncias é a regulação do esmalte dental, camada responsável pela proteção dos dentes e minimização dos efeitos nocivos das bactérias.

Para isso, uma dica é investir em alimentos derivados do leite, principal fonte de cálcio em alimentos de origem animal. 

Do mesmo modo, o banho de sol ao menos 15 minutos diariamente se mostra essencial para a fixação dessas vitaminas na estrutura óssea.

Dentre os alimentos que podem contribuir para a obtenção dessas substâncias estão:

  • Vegetais verde-escuros;
  • Fígado;
  • Peixes;
  • Ovo;
  • Tofu;
  • Soja;
  • Linhaça;
  • Aveia.

Cabe ressaltar ainda que tais vitaminas e minerais podem contribuir diretamente na redução dos riscos de osteoporose, além de auxiliar na fixação e adesão do corpo aos procedimentos como o implante dental.

Isso porque é necessário que haja certa resistência na estrutura da mandíbula e/ou do maxilar para que o pino que receberá a peça seja bem fixado.

  1. Melhora da imunidade e controle de inflamações

Os alimentos ricos em vitamina C, por exemplo, são grandes aliados da imunidade do corpo, contribuindo para o fortalecimento de todo o organismo.

Com isso, inflamações diversas são evitadas, assim como vírus e bactérias são controlados mais facilmente.

Neste ponto é importante mencionar que do mesmo modo que a boca é a porta de entrada de todos os nutrientes necessários para o funcionamento adequado do corpo, ela pode facilitar o acesso de substâncias prejudiciais ao organismo.

Isso ocorre porque as primeiras erupções e sinais de que os tecidos não estão bem ocorrem na boca, como o surgimento de aftas. 

Além dos intrusos se aproveitarem disso, o acesso por meio de objetos levados à boca e até mesmo da reprodução das bactérias próprias desse ambiente e dos alimentos pode ser facilitado na desregulação do corpo.

Deste modo, investir nas frutas cítricas pode ser crucial para evitar patologias como a gengivite e periodontite, fortalecendo o sistema imunológico, reduzindo o surgimento de feridas na cavidade oral e auxiliando no combate aos vírus.

Contudo, cabe ressaltar que o consumo de alimentos ácidos em excesso pode desregular o ph da boca, influenciando na porosidade dental e no surgimento da cárie. Por isso, o consumo de qualquer alimento deve ser feito de modo consciente e balanceado.

  1. Higienização natural

Investir no consumo de vegetais e frutas fibrosas é outro hábito muito indicado para a manutenção da saúde bucal.

Basicamente, esses alimentos contribuem para a regulação do fluxo salivar, auxiliando na higienização natural da cavidade oral.

Além disso, as fibras presentes nesses alimentos os tornam mais rígidos, agindo como uma escova natural e intensificando ainda mais a higienização. Com isso, esses alimentos contribuem com a remoção de resíduos e placas.

Outra vantagem desses itens é que por aumentarem o volume da saliva na boca, a regulação do PH é propiciada, reduzindo o risco de cáries e inflamações periodontais.

Alguns alimentos fibrosos que podem ser incluídos na dieta são:

  • Maçã;
  • Pera;
  • Morango;
  • Pêssego;
  • Cenoura;
  • Couve;
  • Brócolis;
  • Grão de bico;
  • Aveia;
  • Granola.

A principal vantagem desses alimentos é que eles também podem ser consumidos entre as refeições, funcionando como lanches mais saudáveis e manutencionando a higiene bucal em momentos em que não é possível realizar a escovação.

Contudo, cabe ressaltar que mesmo sendo alimentos importantes para a saúde bucal, o seu consumo não deve substituir a higienização nem o acompanhamento profissional adequado.

Já para aqueles que desejam intensificar ainda mais o aspecto de limpeza dos dentes, tratamentos como a colocação de lente de contato dental pode ser recomendado, conforme os desejos do paciente e avaliações/orientações do profissional.

  1. Redução de manchas

Além de contribuírem com a limpeza da boca, os alimentos adstringentes como a maçã e o morango também podem auxiliar no clareamento da estrutura dental, ao mesmo tempo em que aumentam o fluxo salivar.

Mais ainda, vegetais como o brócolis (que são ricos em cálcio e ferro) reforçam o esmalte dos dentes, reduzindo que os pigmentos dos alimentos se fixem na estrutura. 

Já substâncias como a caseína e a bromelina (encontradas em derivados lácteos e frutas ácidas como o abacaxi, respectivamente) também podem contribuir para a obtenção dos tão sonhados “dentes branquinhos e brilhosos”.

Isso porque elas fortalecem a esmaltação e criam uma barreira contra as manchas e as placas e bactérias bucais, que podem – inclusive – produzir cáries.

Já no caso da bromelina, além dos aspectos já abordados, ela atua como um removedor de manchas natural.

Por fim, o morango (já mencionado no início do tópico), é um alimento que contém em sua composição o ácido málico e a vitamina C, substâncias responsáveis por retirar as manchas e também por combater o acúmulo de placa bacteriana.

Contudo, apesar de serem aliados da higienização e manutenção dos aspectos dentais, as frutas não devem substituir a profilaxia profissional periódica. 

Além disso, para aqueles que desejam intensificar os efeitos clareadores, principalmente após tratamentos de alinhamento, recorrer ao clareamento dental com moldeira pode ser muito vantajoso.

  1. Acompanhamento profissional e profilaxia

Como mencionado nos tópicos anteriores, a alimentação é crucial para a saúde bucal. Contudo, sozinha, não é o bastante para garantir a qualidade da mastigação, absorção das vitaminas e prevenção de vírus e bactérias.

Afinal, sem a higienização diária correta, a cavidade oral se torna um ambiente propício para o acesso e reprodução desses agentes prejudiciais, seja pela ação dos ácidos e bactérias já presentes na estrutura ou pela umidade que facilita a adesão dos vírus aos tecidos.

Deste modo, a escovação se torna mais um hábito/dica essencial para a saúde bucal.

Na prática, o ideal é que a limpeza seja feita ao menos 3 vezes ao dia, priorizando aquelas que devem ser feitas 30 minutos após as principais refeições. 

Mais ainda, a escovação antes de dormir se mostra uma das mais importantes, devido ao tempo em que as bactérias podem circular nos tecidos bucais.

Outro ponto de atenção no momento de higienização diz respeito aos cuidados necessários para pessoas que já fazem tratamento com aparelho dental transparente ou o modelo ortodôntico metálico. 

Isso porque o modelo fixo pode agir como uma barreira durante a escovação, demandando mais cautela na passagem da escova e do fio dental para a remoção correta dos resíduos alimentares.

Já os modelos móveis como os alinhadores invisíveis também precisam ser higienizados adequadamente antes de serem colocados ou guardados, evitando a propagação de bactérias.

Por fim, as consultas de rotina não devem ser negligenciadas. Isso porque apenas o profissional será capaz de identificar possíveis ofensores à saúde bucal e indicar quais tratamentos ou medidas podem ser adotadas para minimizar os riscos de inflamações e doenças periodontais.

Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe da Vue Odonto, uma rede especializada em atendimento odontológico com enfoque na humanização.